Aos leitores!

SEJA UM PATROCINADOR DO SITE MANUFOTOS PHOTOGRAPHER: ACEITAMOS DONATIVOS EM QUALQUER VALOR OU QUALQUER UM DESTES AO LADO R$ 0,10 - 0,50 - 1,00 - 10,00 - 100,00 - U$$,

segunda-feira, 16 de março de 2009

Passeio no Antigo Palácio do Governo da Bahia e mais 36 horas em Salvador-Ba.

Aproveitando a reportagem do New York Times ,resolvi tirar do baú uma série de fotos do Antigo palácio do governo da Bahia,localizado em frente ao elevador lacerda em Salvador,e esta matéria me veio muito á calhar, já que é um assunto que reforça em muito a beleza e os atrativos em Salvador minha cidade Natal. E irá complementar em muito a minha exposição de fotos tanto do palácio como de alguns lugares espécificos de Salvador,agora curtam esta viagem via internet,sem gastar um centavo em passagens aéreas ou terrestre, em época de crise como agora é uma boa opção e pedida não acham.














Fonte de matéria

Lalo de Almeida para o New York Times 
Uma juventude tambor corpo ensaios no bairro do Pelourinho. 

Por SETH Kugel 
Publicado em: 1. De março de 2009 

36 horas em Salvador, Brasil 

Carnaval fora de cada semana de Fevereiro, quando a ênfase é decididamente o presente, a cidade costeira de Salvador parece obcecado com o seu passado Africano. Em nenhum lugar no Brasil é a profunda influência de três séculos e meio de escravidão tão evidente, a partir da cor da pele das pessoas com a cor dos alimentos (muitas vezes laranja, a partir do uso de dendê ubiquitous, vermelho ou óleo de palma), de a profunda influência do Africano derivados de tradições religiosas do candomblé para o musical batidas de axé e samba. No bairro do Rio Vermelho, em casa à noite mais quente vida nesta cidade sobre a Baía de Todos os Santos, mesmo as crianças muitas vezes fria evitai o chicest bares e restaurantes para pendurar no praças públicas, bebendo cerveja e comendo o tradicional, Africano - black-eyed pea inspirado fritters chamadosacarajé. 


Um fim de semana em Salvador, Brasil 
  
 
Sexta-feira 

3 
1) ARTE NOVA, COLONIAL LASTRAGEM 

O Estado-run Museu de Arte Moderna da Bahia, ou MAM (Av. Contorno; 55-71-3117-6141; www.mam.ba.gov.br), características de artistas contemporâneos, ainda está indissoluvelmente ligada à baiana passado. MAM está definida ao longo da costa, no Solar do Unhão, um colonial do século 17. Complexas que agora abriga as instituições culturais e eventos. A coleção do museu inclui proeminentes do século 20. Artistas brasileiros como Tarsila do Amaral e Di Cavalcanti. 

6 
2) Batalha de Baianas 

Passe a sua primeira noite no Rio Vermelho, bairro onde a ação começa no happyhour. Escolha uma praça e pegue um dos quadros tendeu por garçons de bares nas proximidades. Então envie a um amigo para aguardar na fila, onde as mulheres no tradicional vestido fazer acarajé baiano, fritura bolas de massa em óleo de dendê atécrocantes, separando-os em metade e slathering-las com molhos, camarão e pimenta Malagueta ímpios (4 reais, ou $ 1,70 a R $ 2,35 para o dólar). Os estandes são conhecidos pelos nomes dos seus fundadores: o mais agradável stand onde está a famosa Dinha era maître d'acarajé até à sua morte no ano passado. Felizmente, oestande que ostentam o nome dela, sem ela viveu (Largo de Santana; 55-71-3334-4350). 

8 
3) VIA ÁFRICA BRA 

Oculto off Cira da praça é a linda baiana restaurante Dona Mariquita (Rua do Meio, 178; 55-71-3334-6947; www.donamariquita.com.br). O interior é formado após um candomblé terraço (onde são realizadas cerimônias religiosas), com uma apresentarem telhado, paredes brancas, lavadas e salpicos de cor doled fora parcimónia. Leila Carreiro, o proprietário, tem studded-Africano do menu com pratos tradicionais que foram influenciados fading no esquecimento, como arroz-de-hauçá (36 reais), um monte de doce de coco arroz cobertas com um molho camarão salgado fumado e rodeado por um moat de carne seca desfiada caloroso. 

10 
4) FRANÇA'S ALLEY 

Salvo se chovendo, você seria tolo se sentar em ambientes fechados, no Boteco do França (Rua Borges dos Reis, 24A; 55-71-3334-2734); vez, encontrar uma mesa vazia na estreita passagem entre o bar e a igreja evangélica ao lado, carinhosamente conhecido como o Beco do França (literalmente França's Alley, embora França realmente não faz referência ao país, mas a um dos proprietários). Esquivar-passer por quadros para utilizar o beco como um atalho entre duas ruas principais. 

Midnight 
5) PNEUS ME OUT 

Há um velho baiano, dizendo: "Mostre-me um pneu oficina, e eu vou mostrar para você o melhor clube noturno na cidade." OK, então não é realmente um velho ditado, mas poderia ser. Borracharia (Rua Conselheiro Pedro Luís, 101-A; 55-71-9142-0456) significa Tire Shop, e ele é literalmente um pneu oficina por dia, com um shirtless, barrigudo dono de o provar. À noite, os pneus estão amontoados, o bar abre, os DJ's chegam e suado barulheira ensues. 

Sábado 

11 
6) A Cidade Velha 

Você pode facilmente passar uma tarde inteira no alinhavado, montanhoso ruas do Pelourinho distrito. Foi reavivado a partir do seu cariadas, crime-ridden, red-light fama na década de 1980 e transformado em sua atual turísticos mas ainda irresistível auto. Wander na deslumbrante ouro niquelado Barroco interior da Igreja e Convento de São Francisco (Terreiro de Jesus; 55-71-3322-6430), comprar um coco tratar de um vendedor de rua, ou, se você for afortunado, tropeçar em um ensurdecedor exterior ensaio da juventude tambor corpo na música Olodum escola. 

4 
7) AFRO-BRASILEIRA Prints 

Existem muitas lojas de design e artesanato de qualidade variável no Pelourinho. Uma é que você pode contar com Didara Design by Goya Lopes (Rua Gregório de Matos, 20; 55-71-3321-9428; www.didara.com.br) featuring Ms. Lopes da famosa Africano-themed imprime - pessoas, animais e abstracto - em camisas, vestidos, aventais, almofadas e tecidos comprados pelo contador. Upscale, mas não inacessível (estilo tanque tops para as mulheres começam a 42 reais), seu trabalho é sobre como realmente Salvador como acarajé, mas muito mais fácil para embrulhar. 

5 
8) CAFE COM VISTA 

É fácil esquecer que você está na Cidade Alta, o nível superior da cidade, mas você vai se lembrar rapidamente se você vagar durante a Cafelier (Rua do Carmo, 50; 55-71-3241-5095; www. cafelier.com.br), no bairro de Santo Antônio do centro histórico. O café, que mais parece uma loja antiguidades do que um café, tem uma deslumbrante vista da baía. Tire uma foto, você pode a qualquer Photoshop berrante cruzeiros mais tarde. 

7:30 
9) Defensive MANOBRAS 

O branco-lavado Forte Santo Antônio Além do Carmo (fim do Largo de Santo Antônio, 55-71-3117-1488), uma antiga fortaleza e prisão, agora é conhecida como o Forte da Capoeira, um centro de artes marciais e dança forma que surgiram a partir da tradição dos escravos Africano. Você pode ir durante a semana para uma visita mais completa (3 reais), mas no sábado à noite às 7:30, cabeça interior (gratuita) e seguir o ritmo para a sala de aula onde o comandante e estudantes prática. 

9 
10) JARDIM Gastronomia 

O caos do Pelourinho grungy desaparece como você passo para o jardim de Maria Mata Mouro (Rua da Ordem Terceira, 8; 55-71-3321-3929; www.mariamatamouro.com.br) e sentar-se no âmbito da floração frangipani árvore (jasmim -manga em Português). O menu é tão internacionais que poderiam ser tentados a saltar moqueca de peixe, um tradicional cozido. Mas certifique-se de pelo menos um em seu partido tenta ele (o menu diz que alimenta dois - a 76 reais - mas você pode encomendar uma meia-porção), o restaurante de assumir o prato é mais leve do que muitos e executado com perfeição. 

10 
11) Uma bebida nocturna infundido 

O Pelourinho é no Rio Vermelho, quando se trata de vida nocturna, mas você pode parar para uma cerveja e música ao vivo apenas sobre qualquer lugar, ou ter uma bebida nocturna em O Cravinho (Terreiro de Jesus, 3; 55-71-3322-6759), um escuro barra pesada de madeira que serve quadros infundido cachaça, a aguardente de cana de açúcar brasileiro. A infusão é o nome com um cravo, mas há algo para todos - casca de laranja ou gengibre por exemplo. Há tempos a errar do lado da cautela no Pelourinho - que pode ser perigoso à noite - mas, na praça central táxis estão esperando para te levar para casa. 

Domingo 

Noon 
12) sair da cidade 

Vale a pena os 20 - 30 minutos de táxi ou de carona para Boca de Galinha (Rua da Estação, 58; 55-71-3398-1232) para verificar a receita para o sucesso que o proprietário, Nilton Souza, tropeçou tem-se: Encontre um run-down bairro. Configure alguns quadros em uma varanda com vista para a baía. Escreve o menu diário de moquecas e peixes fritos escrita usual na escola notebooks. Para evitar uma espera, chega ao meio dia. 

2 
13) sobremesa e MILAGRES 

Não há necessidade de chamar um táxi de volta à cidade. Pedir direções para a próxima ferry que irá levá-lo em toda a baía ao bairro da Ribeira. Parar ao nível das Sorveteria da Ribeira (Largo da Ribeira, 87; 55-71-3316-5451) e tomar uma taça de sorvete no mistério frutas exóticas quem você acha que faz o melhor sorvete: Siriguela? Graviola? Umbu? Cupuaçu? Em seguida, um salto rápido cabina (ou andar cerca de uma milha e meia) a mais famosa igreja de Salvador, Nosso Senhor do Bonfim (Praça Senhor do Bonfim; 55-71-3316-2196), em que é cheia de modelos de partes do corpo, como agradecimento à esquerda estão em exposição na Sala dos Milagres. 

The Basics 

COMO CHEGAR 

United e TAM têm alguns vôos direto de Miami para Salvador, eliminando a necessidade de voar mais de mil milhas fora do caminho através de São Paulo. Americano voa direto de Miami, e pára no Recife sobre o caminho de volta. Uma recente pesquisa online encontrados voos correr cerca de US $ 665 ida e volta. Outras companhias aéreas conectar através de São Paulo. Um táxi carona para a cidade custos, pelo menos, 60 reais, ou US $ 25,50 em R $ 2,35 para o dólar, na cor branca carros marcado "Táxi Comum." 

ONDE FICAR 

Aqueles que querem mergulhar na Pelourinho distrito poderão tentar a Casa do Amarelindo (Rua das Portas do Carmo, 6; 55-71-3266-8550, casadoamarelindo.com.br), um pequeno e acolhedor hotel. Quartos começa com R $ 259 por noite (345 durante a época alta). 

Hotel no Rio Vermelho ofertas variam entre os quartos com vistas extraordinárias no Pestana Bahia (Rua Fonte do Boi 216; 55-71-2103-8000, www.pestana.com), a partir de 260 reais por noite, para os quartos começando em 161 reais, no Hotel Catharina Paraguaçu (Rua João Gomes, 128; 55-71-3334-0089; www.hotelcatharinaparaguacu.com.br), uma arte-cheia oásis no meio da movimentada vida noturna do Rio Vermelho.

Traduzido do texto original em inglês

Translate of inglish of portuguese

36 Hours in Salvador, Brazil

OUTSIDE of Carnaval week each February, when the emphasis is decidedly on the present, the coastal city of Salvador seems almost obsessed with its African past. Nowhere in Brazil is the deep influence of three and a half centuries of slavery so obvious, from the color of people’s skin to the color of the food (often orange, from the ubiquitous use of dendê, or red palm oil); from the deep influence of the African-derived religious traditions of candomblé to the musical beats of axé and samba. In the Rio Vermelho neighborhood, home to the hottest night life in this city on the Bay of All Saints, even the cool kids often shun the chicest bars and restaurants to hang out in the public plazas, drinking beer and eating the traditional, African-inspired black-eyed pea fritters called acarajé.

3 p.m.
1) NEW ART, COLONIAL SETTING

The state-run Modern Art Museum of Bahia, or MAM (Avenida Contorno; 55-71-3117-6141;www.mam.ba.gov.br), features contemporary artists, yet is inextricably tied to the Bahian past. MAM is set along the coast in the Solar do Unhão, a 17th-century colonial complex that now houses cultural institutions and events. The museum’s collection includes prominent 20th-century Brazilian artists like Tarsila do Amaral and Di Cavalcanti.

6 p.m.
2) BATTLE OF THE BAIANAS

Spend your first night in the Rio Vermelho neighborhood, where the action starts at happy hour. Choose a plaza and grab one of the tables tended by waiters from nearby bars. Then send a friend to wait in line at the stands where women in traditional Bahian dress make acarajé, frying balls of dough in dendê oil until crispy, splitting them in half and slathering them with sauces, shrimp and wicked malagueta peppers (4 reais, or $1.70 at 2.35 reais to the dollar). The stands are known by the names of their founders: the most pleasant stand is where the famous Dinha was maître d’acarajé until her death last year. Luckily, the stand bearing her name has lived on without her (Largo de Santana; 55-71-3334-4350).

8 p.m.
3) AFRICA VIA BRAZIL

Hidden off Cira’s plaza is the lovely Bahian restaurant Dona Mariquita (Rua do Meio, 178; 55-71-3334-6947; www.donamariquita.com.br). The interior is fashioned after a candomblé terrace (where religious ceremonies are performed), with a thatched roof, white-washed walls and splashes of color doled out sparingly. Leila Carreiro, the owner, has studded the menu with African-influenced traditional dishes that were fading into obscurity, like arroz-de-hauçá (36 reais), a mound of sweet coconut rice topped with a salty smoked shrimp sauce and surrounded by a moat of hearty shredded dried beef.

10 p.m.
4) FRANCE’S ALLEY

Unless it’s raining, you’d be silly to sit indoors at the Boteco do França (Rua Borges dos Reis, 24A; 55-71-3334-2734); instead, find an empty table in the narrow alleyway between the bar and the evangelical church next door, affectionately known as the Beco do França (literally France’s Alley, though França actually refers not to the country but to one of the owners). Passers-by dodge tables to use the alley as a shortcut between two main streets.

Midnight
5) TIRE ME OUT

There’s an old Bahian saying: “Show me a tire repair shop, and I’ll show you the coolest nightclub in town.” O.K., so it’s not really an old saying, but it could be. Borracharia (Rua Conselheiro Pedro Luís, 101-A; 55-71-9142-0456) means Tire Shop, and it literally is a tire repair shop by day with a shirtless, pot-bellied owner to prove it. At night, the tires are piled up, the bar opens, the D.J.’s arrive and sweaty bedlam ensues.

Saturday

11 a.m.
6) THE OLD TOWN

You can easily spend an entire afternoon in the cobbled, hilly streets of the Pelourinho district. It was revived from its decayed, crime-ridden, red-light reputation in the 1980s and turned into its current touristy but still irresistible self. Wander into the dazzling gold-plated Baroque interior of the São Francisco Church and Convent (Terreiro de Jesus; 55-71-3322-6430), buy a coconut treat from a street vendor or, if you are lucky, stumble into a deafening outdoor rehearsal of the youth drum corps at the Olodum music school.

4 p.m.
7) AFRO-BRAZILIAN PRINTS

There are plenty of design and crafts shops of varying quality in Pelourinho. One you can count on is Didara Design by Goya Lopes (Rua Gregório de Matos, 20; 55-71-3321-9428;www.didara.com.br) featuring Ms. Lopes’s famed African-themed prints — people, animals, abstract — on shirts, dresses, aprons, pillows and fabric bought by the meter. Upscale but not unaffordable (stylish tank tops for women start at 42 reais), her work is about as genuinely Salvador as acarajé, but much easier to wrap.

5 p.m.
8) CAFE WITH A VIEW

It’s easy to forget you’re in the Cidade Alta, the upper tier of the city, but you’ll quickly remember if you wander over to Cafelier (Rua do Carmo, 50; 55-71-3241-5095;www.cafelier.com.br) in the Santo Antônio neighborhood of the historic center. The cafe, which looks more like an antiques store than a coffee shop, has a stunning view of the bay. Take a picture; you can Photoshop out any gaudy cruise ships later.

7:30 p.m.
9) DEFENSIVE MANEUVERS

The white-washed Forte Santo Antônio Além do Carmo (end of Largo de Santo Antônio; 55-71-3117-1488), a former fort and prison, is now known as the Forte da Capoeira, a center for the martial arts and dance form that emerged from the traditions of African slaves. You can go during the week for a more complete visit (3 reais) but on Saturday evening at 7:30, head inside (free) and follow the rhythms to the classroom where the master and students practice.

9 p.m.
10) GARDEN DINING

The grungy chaos of Pelourinho disappears as you step into the garden of Maria Mata Mouro (Rua da Ordem Terceira, 8; 55-71-3321-3929; www.mariamatamouro.com.br) and sit down under the flowering frangipani tree (jasmin-manga in Portuguese). The menu is so international that you might be tempted to skip the fish moqueca, a traditional stew. But make sure at least one in your party tries it (the menu says it feeds two — at 76 reais — but you can order a half-portion); the restaurant’s take on the dish is lighter than many and executed to perfection.

10 p.m.
11) AN INFUSED NIGHTCAP

Pelourinho is no Rio Vermelho when it comes to night life, but you can stop for a beer and live music just about anywhere, or have a nightcap at O Cravinho (Terreiro de Jesus, 3; 55-71-3322-6759), a dark bar of heavy wooden tables that serves infused cachaça, the Brazilian sugar cane liquor. The namesake infusion is the one with cloves, but there’s something for everyone — orange peel or ginger for example. There are times to err on the side of caution in Pelourinho — it can be dangerous at night — but in the central square taxis are waiting to take you home.

Sunday

Noon
12) GET OUT OF TOWN

It’s worth the 20- or 30-minute cab ride to Boca de Galinha (Rua da Estação, 58; 55-71-3398-1232) to check out the recipe for success that the owner, Nilton Souza, has stumbled upon: Find a run-down neighborhood. Set up some tables on a balcony overlooking the bay. Write out the daily menu of moquecas and fried fish longhand in school notebooks. To avoid a wait, arrive by noon.

2 p.m.
13) DESSERT AND MIRACLES

No need to call a cab back to town. Ask for directions to the nearby ferry that will take you across the bay to the Ribeira neighborhood. Stop off at the Sorveteria da Ribeira (Largo da Ribeira, 87; 55-71-3316-5451) and take a stab at which exotic mystery fruit you think makes the best ice cream: Siriguela? Graviola? Umbu? Cupuaçu? Then hop a quick cab (or walk about a mile and a half) to Salvador’s most famous church, Nosso Senhor do Bonfim (Praça Senhor do Bonfim; 55-71-3316-2196), where models of body parts left as thanks are on display in the Room of Miracles.

THE BASICS

HOW TO GET THERE

United and TAM have some nonstop flights from Miami to Salvador, eliminating the need to fly over a thousand miles out of the way through São Paulo. American flies nonstop from Miami, and stops in Recife on the way back. A recent online search found flights running about $665 round trip. Other airlines connect through São Paulo. A cab ride to the city costs at least 60 reais, or $25.50 at 2.35 reais to the dollar, in the white cars marked “Taxi Comum.”

WHERE TO STAY

Those who want to dive into the Pelourinho district might try the Casa do Amarelindo(Rua das Portas do Carmo, 6; 55-71-3266-8550, casadoamarelindo.com.br), a small, cozy hotel. Rooms start at 259 reais a night (345 during high season).

Hotel offerings in Rio Vermelho range from the rooms with extraordinary views at thePestana Bahia (Rua Fonte do Boi 216; 55-71-2103-8000, www.pestana.com), from 260 reais a night, to the rooms starting at 161 reais at the Hotel Catharina Paraguaçu (Rua João Gomes, 128; 55-71-3334-0089; www.hotelcatharinaparaguacu.com.br), an art-filled oasis in the midst of bustling Rio Vermelho night life.

























Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget
 
User-agent: Mediapartners-Google* Disallow: